André Paolucci

Longa espera

André Luís Paolucci de Carvalho   Ventania, tempestades e saudades.Lágrimas escorrem dos Pampas.Um povo peleia pela vida,enfrenta a sombra da mortee navegam pelas correntezas do Guaíba.Vencem dolorosos rios de lágrimas.Bota, bombacha, lenço e espora de prata.Exaustos, asfixiados pela dor e medo.São invencíveis heróis anônimos do Rio Grande.O véu da tristeza não ofusca os campos radiantes de sol,onde […]

Um dia da minha infância

André Paolucci   Acordei com sono naquele dia de sol. Nessa época, nos radiantes 10 anos, tinha poucas preocupações, muitos sonhos e algumas responsabilidades na casa das três janelas. Antigo imóvel da Rua Padre Manoel Rodrigues, mais conhecida como “Pau de Barbas”.O primeiro compromisso era o café da manhã na casa dos meus avós. Eu […]

Sagrado coração

A estrela brilhou! Você consegue ver? Talvez sim. Talvez não. Mas contempla extasiado, a falsa luz dos enfeites. E o que Ele ensinou? Lembra-se? Talvez sim. Talvez não. Em algum lugar do passado, na manjedoura o menininho dorme e Maria sorri por nós. Quase esquecemos deles, na manhã de Natal.   André Paolucci

O Salvador da Pátria 

André Paolucci   A dor que sufoca sua mente com duas mãos imaginárias, foi enfim aliviada. A serenidade da multidão vazia, ávida por um profeta embriagado, mesmo oco e feito de barro foi o bálsamo suficiente. Pois do pedestal santificado, ele continuará pensando por vocês. Abelhas da colméia! Cegas, surdas, nunca mudas. Afinal, a verdade […]

O Regresso

André Paolucci   Era tarde da noite e chovia fino e gelado em Barbacena. Noite típica de um maio qualquer. Caminhava apressado pelo Rua XV de Novembro, perto do clube Barbacenense. Era outra época, o lugar parecia o de sempre. Eu ainda não sabia que também estava diferente. Havia algo familiar em tudo aquilo e […]

Sem eira e nem beira

André Paolucci   Noite qualquer. Janela fechada. Ela não ouviu a serenata. Nem jogou as tranças da Rapunzel. Ele vai embora. Violão nas costas. Sem versos e nem beijos. Noite suja. Absinto, charutos e alucinações. Sarjeta do botequim. Na luz opaca do poste, pirilampos! Ele ainda rabisca versos de agouro. Escárnio e maldizer pela musa […]

Ana Beatriz

André Paolucci   A menina pula e dança. E canta e brinca. Vira gata e corre. Vira águia e voa. Ou vira urso e dorme. E me abraça forte Na intensidade do sol. No silêncio da lua. E continua sendo… Minha pequena rosa.   André Paolucci é Membro da Academia Barbacenense de Letras, ocupando a […]